terça-feira, 9 de março de 2010

In-certezas

"Palavras não valem tanto quanto demonstrações", foi o que havia me dito.
Ele afirmava bastante quando falava. Muito sensível, mas também muito lógico, questionador, e criador de hipóteses.
Com seu jeito racional, não me passava certeza alguma, não prometia, muito menos planejava. De uma forma muito estranha e mágica, sempre me fazia pensar.
Tornava coisas simples, dissertações tão complexas quanto ele próprio. O que às vezes me confundia.
Nas confusões, reflexões e pensamentos aleatórios, por momentos parava para imaginar o que ele realmente sentia e como poderia, alguém com cada mania, preencher uma alma de certa forma vazia.
E de repente, num dia que eu imaginei que nunca acabaria, desviei o olhar dos cílios dourados e o pranto suave que pela face me escorria, foi sanado por um sussurro: "Te amo".

4 comentários:

Móis, Lex disse...

Finalmente postou ^.^ \o/

Jéssica Félix disse...

Nossa,que lindo!*_* acho que sei p qm vc escreveu ..rsrsrs divino,querida ^^ se eu fosse tão boa com as palavras como vc,meu namorado ia ser tão feliz rsrs parabens mesmo.bjs

Lina disse...

Creio que poderia ter escrito algo assim para o guri, mas as broncas momentâneas reprimiram a vontade de transcrever tais pensamentos...
Acho que mandarei o link do teu post para que tal pessoa tenha uma noção doq tvz um dia senti ao escutá-la dizer certas coisas...
Belo texto, guria. Belo texto...

Rubi | Safira disse...

PS: visite se tiver tempo...

http://vocabulofotografico.blogspot.com